Sucesso nos anos 2000, o grupo Rouge inspira musical

Parece que foi ontem que eu e inúmeros leitores deste site estavam assistindo um reality show POP STAR no SBT, o programa que selecionou 5 garotas que seriam a nova Girl Band do Brasil.

No ano de 2002, cinco jovens foram selecionadas para forma o grupo Rouge, o sucesso na “era analógica” foi tanto que em seu primeiro ano o grupo vendeu aproximadamente 2.5 milhões de discos e licenciou os nomes para diversos produtos da industria.

Em 2006 o grupo encerrou suas atividades deixando uma marca de 6 milhões de álbuns vendidos.

É valido lembra que nos anos 2000 poucas pessoas tinha acesso a internet com temos hoje e só para termos um parâmetro para o sucesso de vendas do grupo, o Itunes (loja online de musicas) surgiu no ano de 2003.

Leia também: São Paulo Companhia de Dança estreia duas obras no Teatro Sérgio Cardoso

Entre as dezenas de Hits que o grupo emplacou nos 4 anos de carreira estão: Brilha La Luna, Beijo Molhado, Não Dá Pra Resistir e a versão do sucesso internacional do grupo espanhol Las Ketchup, Ragatanga.

Treze anos após o fim da banda o ator e produtor Diego Montez anuncia o musical Brila La Luna com canções do Rouge.

Em uma parceria entre as produtoras Lab Cultural e Aventura Entretenimento.

A história tem como base a personagem Luna (Carol Botelho/Marcella Bartholo), que dá nome ao espetáculo, uma jovem que viveu toda sua vida na Comunidade de Aserejé, um refúgio hippie criado por seus pais escondido das grandes metrópoles.

Ela vive uma vida tranquila, mas ao completar 18 anos, se vê órfã e sente que falta algo em toda aquela perfeição. É aí que ele vira a esquina: Diego um mochileiro de passagem e toda a história começa…

Diego, um mochileiro que está de passagem pela comunidade encanta Luna levando ela acreditar que finalmente encontrou a última parte que precisava pra completar a vida perfeita.

Quando Diego (Robson Lima/André Sigom) parte de Aserejé, ela descobre que o endereço do garoto na cidade grande é o mesmo estampado em cartas que seu pai, então líder da comunidade, recebia enquanto vivo.

Luna decide segui-lo atrás de respostas com a ajuda de Pedro (Léo Bahia/ Tauã Delmiro), seu melhor amigo secretamente apaixonado por ela.

Ao chegar na cidade grande ela acaba participando por engano da seleção de um show de talentos televisivo que irá revelar a nova estrela pop do Brasil.

No programa, Luna conhece um grupo de garotas que irão se tornar suas novas amigas: Calíope (Lyz Ziese/ Julia de Aquino) uma excelente bailarina que não liga para os que a acham fora do padrão de peso.

Leia também: Musical ‘Novos Baianos’ estreia em São Paulo

Tiffany (Carol Vanni/Amanda Doring), que tenta a todo custo fugir do estereótipo da menina rica e mimada; Thalia (Diego Martins/ Victor Maia), uma drag queen fabulosa que tem uma queda por Dinho (Daniel Haidar/ Luiz Gofman), o assistente de direção – “hétero” – do programa, e Lilith (Myra Ruiz/Bel Lima), uma tímida caipira que parece ser muito mais do que uma “boa menina”.

Theodora (Helga Nemetik/Fernanda Gabriela) a poderosa dona do programa, também vê em Luna um brilho especial que ainda não entende se pode ser uma faísca de grande talento ou um eco de seu passado misterioso.

Segundo Diego Montez:

” A ideia surgiu faz tempo. Uma das minhas melhores amigas, que é atriz e estava fazendo novela comigo na época, viveu em uma comunidade hippie até seus 16 anos sem acesso algum a tecnologia ou cultura pop.

Aquela história ficou tanto na minha cabeça que comecei a rascunhar a ideia de uma peça sobre essa garota que passa a vida em uma aldeia afastada da cidade e cai de paraquedas no mundo frenético da televisão. No café onde eu escrevia o nome das primeiras personagens, tocou Ragatanga.

Foi ali que me ocorreu que “Aserejé” é um nome ótimo para uma comunidade alternativa e que esse tal “Diego” que vira a esquina podia ser um mochileiro que apresenta todo esse universo a essa garota.

Me juntei com o Juliano (Marceano, autor do texto) e começamos a desenvolver a dramaturgia em cima do repertório que a gente conhecia de cor: éramos fãs da banda de dormir na porta do estádio para ir no show! – completa Diego Montez, um dos idealizados do espetáculo.

Brilha La Luna
Temporada: 2 de novembro a 16 de dezembro
Sessões: Sábados às 16h, Domingos às 16h e Segundas às 19h
Ingressos a partir de R$ 25,00

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *