O documentário de Jennie Livingston lançado em 1990 – ganhador do Teddy Awards do Festival De Berlim – agora foi revisitado no livro “Cinema Queerité“, que além de contar a história das drags balls de Nova Iorque com todo seu universo paralelo à sociedade do final dos anos 80, mostra a busca incessante da comunidade LGBTQIAP+ negra e latina pelo direito de ser e de se reinventar em um contexto repressivo norte-americano no qual sua invisibilidade social é sua certeza de morte.

Muitos dos frequentadores dessas boates são as vidas que hoje inspiram histórias para séries de sucessos como “Pose” e “AJ and the Queen”.

O jornalista e diretor de conteúdo digital da Perfil Brasil Ademir Corrêa, trás em sua dissertação um outro olhar sobre a luta pela visibilidades de corpos, identidades e gêneros em seu livro “Cinema Queerité – Gêneros e identidades no documentário Paris Is Burning“.

Leia Também: Taxação de livros só prejudica os mais pobres

Não com uma discussão superficial, a obra de Admir cumpre um papel fundamenta para a comunidade LGBTQ+, preservar a história de luta pelo direito a vida que facilmente pode se perder no tempo.

A obra elogiada pela professora doutora em cinema Bernadette Lyra e também escritora está disponível na loja nômade Barra Funda Autoral, em São Paulo – com a renda obtida revertida para o CATS – Coletivo de Artistas Transmasculines –, no site da Amazon e pela Editorial Paco.

“Este não é apenas um livro sobre Paris is Burning, o documentário cinematográfico de Jennie Livingston que mostra balls e concursos em houses de drags, no bairro negro do Harlem, em uma Nova York ainda violentada pelo giro mortal do HIV. Na verdade, este livro − feito de muitas formas de afetos partilhadas entre um pesquisador e quem teve a rara felicidade de participar como orientadora de sua pesquisa de mestrado – é o resultado da dupla vontade de estar fora da rota das mesmices e dos conformismos que, tantas vezes, orientam as escolhas em um percurso acadêmico, e do desejo de quebrar os contratos das violências e dos preconceitos que a cultura hegemônica costuma adotar. E o que este livro celebra e oferece é a potência das pequenas transgressões que, somadas, orientam a busca de ética da beleza estranha, vinculada à estética da resistência, na arte e na vida”, afirma Bernadette Lyra, escritora e professora doutora em cinema.

Título: Cinema Queerité – Gêneros e Identidades no Documentário Paris is Burning
Editora: Paco Editorial 
Autor: Ademir Corrêa
Páginas: 156
Capa: Luan Zumbi 
Formato: 14x21cm
Preço de capa: R$ 42,90
ISBN: 978-65-99011-37-5

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *